Bento XVI, meu guia intelectual

Fui ateu por muitos anos, e me converti no início do Mestrado, em 2005. Portanto, já se passaram quase 18 anos.

O papa Bento XVI foi uma das luzes mais importantes do início dessa jornada.

Muitas coisas alimentavam o meu ateísmo, uma das mais importantes era a ignorância que eu via entre os católicos que conhecia. 

Na universidade, estavam sempre entre os piores alunos (infelizmente isso não mudou muito!). Rezavam para não reprovar ao invés de estudar. Para mim aquilo era um escândalo. Não era a toa que acretivam num monte de bobagens. Gente cheia de superstições.

Eu que, sempre fui apaixonado pela ciência e pelo estudo, sentia uma repulsa natural por pessoas dispostas a acreditar antes num milagre do que numa explicação natural.

Por razões que não gosto de falar em público, num dado momento comecei a sentir que Deus me procurava. E eu também sentia um impulso de procurá-lo.

Mas esse sentimento me deixava confuso, perplexo, e com raiva de mim mesmo.

Como eu poderia abrir mão de toda a maravilha da ciência, da beleza da Matemática e da Física, para ser mais um tolo católico? Eu escondia isso de todos, principalmente dos meus colegas físicos.

Eu acreditava, nesse momento, que era preciso escolher entre a luz da ciência e as trevas do dogmatismo religioso. Meu coração estava dividido entre Deus que me chamava e o meu amor pela ciência.

Graças a Deus, foi nesse momento que o cardeal Ratzinger entrou na minha vida pelo Catecismo da Igreja Católica. Lembro que quando tive pela primeira vez esse livro nas minhas mãos, fiquei maravilhado, num estado quase de êxtase.

"Existe vida inteligente na Igreja Católica! Quem escreveu isso? Meus Deus, há uma saída pra mim!"

Li tudo, devorando cada página com voracidade. Aquilo resolvia todas as minhas perplexidades.

Em 2007 eu tive a oportunidade única de partipar da Escola de Verão do Observatório do Vaticano. Durante um mês estudamos exoplanetas com os melhores astrofísicos do mundo. Basta dizer, por exemplo, que Didier Queloz foi nosso professor. Ele ganhou o Nobel de Física em em 2019 pela descoberta do primeiro exoplaneta.

E ele estava num evento organizado por católicos. Ele não era católico, estávamos entre pessoas de todo o mundo discutindo ciência de ponta. A Igreja tem interesse em participar da ciência, a Igreja também admira a ciência!

Os alunos da Escola foram recebidos pelo então papa Bento XVI. Na foto, eu ainda um aluno de doutorado, conversei com ele sobre o Brasil e sua recente vinda ao país. Já tinha lindo vários textos dele. A maioria das pessoas que estava comigo não o conheciam.

Depois disso, li muito mais textos dele e ele se tornou um guia intelectual para mim, em vários sentidos.

Quem lê sua obra percebe que ele jamais tem medo de investigar e entender o pensamento alheio. Tem por hábito expor o pensamento contrário ao seu em detalhes, sempre com muito respeito e profunidade. Isso se chama honestidade intelectual. É um exemplo para todos os cientistas.

Hoje a Igreja passa por grandes crises, e sempre olho para ele para saber como me portar.

Muitos católicos, inseguros, têm formado grupos sectários para se proteger do mundo. Quando vários começaram a atacar o papa Francisco, as vacinas, etc, ele sempre nos guiou para outro rumo. Foi exemplo em tudo!

Exemplo de um homem que encarnou uma bela frase de São Josemaria: "Um filho de Deus não tem medo da vida nem medo da morte".

Eu vejo nele o exemplo de um homem que consegue conversar com todos, aprender de todos, mas sem nunca perder de vista as verdades que Deus nos revelou pela sua Igreja Católica. E, por isso, capaz de ensinar a todos.

Creio que seu legado será muito importante para construir a unidade da Igreja Católica no próximo século. E ele ainda guiará muitos jovens católicos pelo caminho seguro, como fez comigo.

 


Live com o Prof. Felipe Aquino

No dia 30/07/2020 gravei uma live com o Prof. Felipe Aquino sobre o tema do Livre-arbítrio:

Livres para amar  ou escravos do acaso?

O homem foi criado por Deus. Assim como os anjos, recebeu a liberdade e a inteligência. Com estes dons torna-se responsável pelos seus atos e capaz de amar a Deus. Como o amor pressupõe a liberdade, a realidade do livre arbítrio é um dos fundamentos da nossa fé. Alguns avanços da ciência, no entanto, parecem colocar esse fato em dúvida. Alguns cientistas ensinam que somos escravos do acaso. Justificam esse pensamento com descobertas da ciência. Por exemplo, o determinismo da Física Clássica, onde tudo se resume a causa-efeito; a aleatoriedade como mecanismo base da Evolução das Espécies e a Indeterminação como paradigma da Mecânica Quântica. Como conciliar nossa fé com a ciência?



https://web.facebook.com/watch/live/?v=325954115109091

Magia em "O Segredo"'

Resposta escrita a uma pessoa que me perguntou por que eu afirmo que "A Lei da Atração" em "O Segredo" é um pensamento mágico, condenado como pecado pela Igreja.

Essa pessoa confidenciou que sofre de um problema muito difícil em sua vida e que "O Segredo" tem lhe ajudado a procurar uma solução.


Boa tarde XXXX

De fato, penso que o filme "O Segredo" (e o livro inspirado nele) inspiram
pensamentos associados a magia. Por que penso assim?

Bem, em primeiro lugar é preciso entender o que é a magia:

Dicionário Michaelis:

"Ciência, arte ou prática baseada na crença de que é possível, por intervenção de entes sobrenaturais e fantásticos, produzir efeitos inexplicáveis, especiais, irracionais e sobrenaturais, através de fórmulas mágicas e rituais ocultos."

No caso, o núcleo lógico de "O Segredo" é (resumo que peguei na Wikipedia):

[Existe uma] "lei da atração (...) que sempre está agindo em todos nós assim como todas as leis naturais, como a lei da gravidade, como a lei da ação e reação, etc. É uma lei que explicaria o porquê de tudo que acontece em nossa volta, dizendo que as nossas emoções, produto de nossos pensamentos, que produzem os acontecimentos do dia-a-dia, se tivermos boas emoções, então teriamos bons acontecimentos na nossa vida, e se tivermos más emoções, então teremos maus acontecimentos na nossa vida. O filme defende que devemos ter um cuidado na hora de pensarmos, para não pensarmos o que não queremos e assim isso não acontecer na nossa vida."


Não está nesse resumo, mas é comum associarem essa "Lei da Atração" à Mecânica Quântica, especialmente ao "Princípio da Indeterminação".
No entanto, essa associação é completamente falsa pois esse princípio só trata
de realidades microscópicas simples e isoladas de outras interferências.
Ela não faz qualquer sentido no mundo macroscópico, para os objetos e os
acontecimentos com os quais lidamos diariamente.
Também não tem relação alguma com "poder da mente".

Assim, como essa conexão é falsa desde o princípio pois parte de uma premissa
errada, esse suposto "poder da mente" não é algo científico. É uma crença!
E mais, como ninguém que propaga essas ideias entende realmente de Mecânica
Quântica, eles propagam uma crença baeada em um ente "sobrenatural e
fantástico", como diz a definição do Dicionário.

As pessoas que são levadas a acreditar nessa suposta "Lei da Atração" são
motivadas por uma pseudo-base científica e também porque ela parece razoável.
Entretanto, no fundo elas são motivadas por um desejo de mudar a realidade
por meio de algo fácil, ao alcance de suas mãos, ainda que não possam
controlar devidamente os princípios.

Veja que normalmente esse desejo nasce, antes de tudo, por um sentimento
de inconformação com a realidade.

Isso tudo que eu descrevi é o que chamo de pensamento mágico, que consiste
em querer mudar a realidade usando algo exótico mas que parece ao meu alcance.
Começa com pequenas simpatias - não passar por baixo de escadas, não
cruzar com gatos pretos, e termina com ações mais sofisticadas - pactos
demoníacos etc.

No meio termo tem todas essas falsas filosofias orientais e um mundo de
misticismos como de "O Segredo".


A postura cristão é totalmente contrária a isso.
Para o cristão:

"Todas as práticas de magia ou de feitiçaria com as quais a pessoa pretende domesticar os poderes ocultos, para colocá-los a seu serviço e obter um poder sobrenatural sobre o próximo - mesmo que seja para proporcionar a este a saúde - são gravemente contrárias à virtude da religião." (Catecismo da Igreja Católica - CIC - 2117)


Porque a "Virtude da Religião" é:

"A justiça para com Deus chama-se "virtude de religião" (CIC 1807)

"A adoração é o primeiro ato da virtude da religião. Adorar a Deus é reconhecê-lo como Deus, como o Criador e o Salvador, o Senhor e o Dono de tudo o que existe, o Amor infinito e misericordioso. "Adorarás o Senhor, teu Deus, e só a Ele prestarás culto" (Lc 4,8), diz Jesus, citando o Deuteronômio (6,13)." (CIC 2096)


Ou seja, consiste em aceitar a vontade de Deus para nossas vidas e para as
vidas dos outros. Isso pode, em muitos casos, estar disposto a aceitar uma
imensa Cruz, como a de Cristo, que irá nos santificar.

Não há vida cristã sem aceitar, amar, a Cruz:

"Jesus disse a seus discípulos: “Se alguém quiser vir comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me." (Mt 16, 24)

A doutrina cristã a respeito da cruz é muito profunda e, para muitas pessoas,
é o ponto de entrada pela verdadeira vida cristã.

Não significa resignar-se diantes das dificuldades, mas tampouco significa
lançar mão de pensamentos e atos mágicos para mudar as realidades que Deus
quis!

Recomendo o texto do Pe Francisco Faus como ponto de partida para a reflexão
no tema:
https://www.padrefaus.org/2018/03/28/confianca-na-cruz/

E a busca de um Diretor Espiritual.


Espero que você encontre uma solução para o seu problema de XXXXX, mas
também que encontre nessa Cruz uma proximidade maior com Cristo crucificado!















Live com o Prof. Felipe Aquino

No dia 2/07/2020 gravei uma live com o Prof. Felipe Aquino sobre diversos temas de Ciência e Fé ligados à Física em geral.

https://www.facebook.com/PFelipeAquino/videos/566216917587653/


Astrônomos fazem justiça ao criador da teoria do Big Bang

Escrito em 31/10/2018

No último dia 29 de outubro a União Astronômica Internacional divulgou o resultado de uma votação feita entre seus membros para mudar a chamada “Lei de Hubble” para “Lei de Hubble-Lemaître”. Por absoluta maioria os astrônomos referendaram a mudança como forma de reconhecer o pioneirismo do padre Georges Lemaître, um jesuíta belga, na equação mais fundamental da teoria do Big Bang. A teoria do Big Bang, que já tem quase um século, é um conjunto de ideias de como o nosso universo evoluiu desde um estado muito denso e quente até a forma como o observamos hoje e faz previsões sobre o que esperar para o futuro. A teoria é sustentada por quatro colunas: três fatos observacionais e uma teoria sobre a gravidade.
O principal fato observacional é que todas as galáxias distantes se afastam a velocidades incríveis de nós, a maioria mais rápido que a própria velocidade da luz. Além disso, sabemos que a composição química dos objetos mais antigos do universo é basicamente Hidrogênio e Hélio, numa proporção de 3 para 1. A terceira observação que dá suporte à teoria do Big Bang é uma luz que vem de todas as direções do espaço e é praticamente sempre igual, não importa para onde olhamos. São fatos cosmológicos, ou seja, dizem respeito ao universo como um todo, e nos ajudam a desvendar sua história se pudermos interpretá-los.

Leia o resto na Gazeta do Povo

Entrevista sobre Família

Entrevista que eu e minha esposa demos em 02/2018 no Programa Escola da Fé do Professor Felipe Aquino.
Falamos sobre Famílias Numerosas (com muitos filhos) e também falei sobre Astrofísica.